terça-feira, 17 de maio de 2011

Wake me up when september ends - Parte 34

Hoje sei porque é que concordei em fazer aquilo, mas naquele dia, assim que chegámos ao nosso destino estava totalmente arrependida por ter dito que sim. Acho que só consenti porque ambos estávamos afectados por algo forte e Jason tinha usado bons argumentos para me convencer. Ele dissera “Vamos fazer pára-quedismo. Eu sei que não soa bem, mas vamos fazê-lo. Cair de um avião é a melhor sensação de liberdade que alguma vez irás sentir. É como se o mundo parasse e só tu existisses. Tudo o que te amedronta desaparece. E quando chegas ao chão… Sentes-te capaz de fazer qualquer coisa.” Com isto pensei que ele próprio já tinha experienciado uma sensação daquelas, mas não. Claro que só mo disse assim que aterrámos. 
Depois de ouvirmos as instruções dos instrutores Jason apenas me disse para não ter medo e eu confiei, uma vez que naquela altura ainda pensava que ele já tinha feito aquilo. Entrámos no avião e subimos até estarmos a muitos metros do chão. Tinha chegado o momento da verdade e por mais estranho que pareça não me acobardei e saltei – com um instrutor, é óbvio. Como Jason nunca tinha feito aquilo tudo o que ele me dissera estava errado. Senti uma estranha sensação de leveza e sim, talvez alguma liberdade, mas os meus problemas continuavam lá. Não parei de pensar em Ashton o tempo todo que estive no ar. O mundo não tinha parado de girar ou desaparecido como Jason tinha dito que seria. Mas numa coisa ele estava certo mesmo sem saber. Assim que pousei os meus pés no chão, as lágrimas vieram-me aos olhos e fui a correr para Jason assim que o instrutor me separou dele. Corri para Jason e abracei-o.
E: Obrigada, Jason! Obrigada por me convenceres a fazer isto!
Não parei de o abraçar, não tinha vontade de o fazer.
J: Eu sei, foi fantástico!
Ele fez uma breve pausa.
J: Tenho algo a dizer-te. Nunca tinha feito isto.  
Não me chateei com ele, como teria feito se não tivesse gostado tanto.
E: Eu calculei assim estava no ar. Eu ainda tinha os meus problemas. Mas uma numa coisa estavas certo. Quando cheguei ao chão, senti que podia fazer qualquer coisa. Obrigada.

5 comentários:

  1. Amava também um dia saltar de para-quedas, amava mesmo *.*

    ResponderEliminar
  2. a minha história preferida de todas, estou sempre a falar disto à hora do almoço!

    ResponderEliminar